12 março, 2013

Te vejo ir embora



Seria inútil dizer que eu te queria por perto de todas as vezes que quase te empurrei para fora da minha vida, seria escusado dizer que no fundo o meu coração sempre soube do quanto tu me fazias bem nos momentos em que o meu corpo só queria desaparecer e procurar um lugar quente para se esconder. Os teus beijos cafeinados eram tudo que eu precisava quando o mundo me fazia sentir sabores amargos. Eu sempre pensei que tu fosses ficar para sempre, que fosses me perdoar por ter te feito chorar e estarias na minha porta pela manhã, com o sorriso doce de sempre. Eu não sabia que quem ama também se cansa, não me ensinaram que o amor não é a prova de balas. Queria poder te dizer que fiz tudo que estava ao meu alcance para te fazer ficar, mas eu não fiz e me arrependo por te deixar ir. 

É engraçado como tu sempre voltaste para mim quando tinhas o resto do mundo a tua espera, tu fizeste de mim prioridade quando eu nem fazia de ti uma opção. Eras o que eu procurava quando o resto do mundo virava as costas e eras o que eu não queria quando o resto do mundo me abraçava. 

Estou sentado no sofá, a pensar numa desculpa inconsciente que possa te impedir de partir...
Tu seguras o corrimão e desces as escadas caminhando em direcção à porta, estás a usar o teu vestido florido, sapatilhas azuis e levas uma mochila às costas. Te vejo ir embora e não sei o que fazer para te convencer a ficar, a tua série favorita começa daqui a 10 minutos, talvez queiras sentar e esperar. Tu me olhas com desdém e descartas a minha possibilidade... Não tenho motivos convincentes para te fazer acreditar no meu amor que parece nunca ter existido. Te peço para ficar e te ofereço a minha palavra, digo que dessa vez vai ser diferente, te ofereço a minha mão e te peço para não deixar a nossa história terminar assim. Tu soltaste a minha mão e fechaste a porta atrás de ti.

Foram 5 minutos de choque, quando caí em mim, corri para a rua e não pude fazer mais nada. Da janela do autocarro acenaste em sinal de despedida e uma lágrima escorreu do teu rosto. Vi o meu mundo desabar e só notei que ele eras tu quando resolveste ir embora, eu vi que não existe ninguém que me entenda como tu, ninguém que me abrace e me explique que eu não posso abraçar a noite sem querer me perder. Eu precisei te perder para saber que tu eras o calmante para a minha alma. Corri atrás do autocarro mas não consegui acompanhar a velocidade, caí na estrada, ralei os joelhos, com lágrimas no meu rosto eu sentei e escondi a minha cabeça com as duas mãos.

Entendo que foste viver, mas eu sou egoísta demais para te deixar fazer isso sem mim.