14 agosto, 2013

Falo de paixão e não de amor


Mistério... Acho que esta é a palavra mais acertada para te definir. Tu és um mistério, és um ponto de interrogação no fim de uma afirmação, algo incomum, alguém especial. Infinito como o mar, cheio de histórias para contar. Nos teus olhos eu vejo segredos escondidos, lágrimas que foram impedidas de cair e alguns demônios presos que podem vir a te trair. Vejo algo mais, para além de paz... Eu vejo medo. Tu pareces ter medo do futuro e receio que por força do destino a sociedade não siga o guião e estrague o teu momento de acção... Falando em sociedade, tu és um caso a parte, não segues modelos predefinidos e não deixas que ninguém te dite as regras do jogo. Tu seguras o comando e sabes o momento certo para trocar o canal. Embora muitas vezes prefiras te desligar do mundo e te encontrar na solidão, a tua melhor companhia, tu já tens muitos problemas para te importar com coisas mesquinhas! Tu és inconstante, uma montanha russa de emoções e decisões, hoje és quente e amanhã és frio, ora doce ora amargo. Mas apesar de todas estas mudanças, continuas fiel a ti mesmo.

Muitas vezes o passado bate a tua porta e te martiriza com questões que já estavam enterradas, e te faz sentir a dor de feridas que já estavam cicatrizadas. Eu olho para ti e vejo vida, embora os teus olhos me lembrem da morte, as tuas palavras me trazem de volta a esperança, a tua qualidade é fazer as pessoas felizes mesmo quando tudo a tua volta já perdeu a graça. Tirar os outros do buraco é melhor do que afundá-los contigo, quem sabe assim eles te puxem? Ah! Tu nem precisas precisas ser salvo de nada. Tu és a salvação. Tu és a fé, a inspiração.

Tu tens um coração cheio de vinho, vermelho escuro quase preto, quanto mais velho fica melhor se torna, saboroso alí na esquina e até mesmo do outro lado  do oceano, não importa quanto tempo passe escondido na garrafeira. Paixão pela vida, obcessão pela morte. Tu és agridoce. Ora amargo, acre, Ora doce, mel, mas sempre puro, sempre fiel.

Os teus movimentos lentos e delicados seriam capazes de me fazer ir até Marte sem me importar com o quão quente aquilo é, e no final do dia eu voltaria porque prefiro o teu calor. A minha paixão por ti foi fruto da ignorância, eu não sabia nada sobre ti mas via algo em ti. E o que fez esta paixão crescer foi ter conhecido o teu maravilhoso ser e digo agora sem medo de errar que tu tens a alma mais bonita do mundo. Tu tens uma alma que me faz lembrar da minha. Isso não é uma promessa, tão pouco um juramento, quero apenas que saibas que serei eternamente apaixonada por ti. Falo de paixão e não de amor. Existem mil coisas a volta do amor e não quero envolver-nos neste mar de ilusões.

Serei eternamente tua parceira, cúmplice e tu o meu homem, companheiro.