17 abril, 2014

Quando o futuro atrapalha o presente.




Eu olhava para aquela menina parada no meio da rua, parecia ter menos de 10 anos, usava um vestido florido, rasgado, azul desbotado, com os pés descalços, ela chorava, chorava muito e só fez um intervalo para dizer-me o seu nome. 
Joana, Joaninha... 
O que te aflige? Perguntei. Ela chorava, e não falava nenhuma palavra, nos seus olhos estava escrita uma história mas eu não conseguia ler, era um analfabeto emocional. 
Joana, Joaninha... Por que choras? Curvei-me perante a ela e limpei as suas lágrimas, foi em vão porque caíram mais ainda. Joana chorava e não dizia nada, eu também não disse nem mais uma palavra, apenas fiquei ao lado dela, a espera que chegasse a hora certa. 16, 17, 18, 19, 20 horas e ela não falava, as lágrimas tinham ido embora mas ninguém tinha chegado para buscar a menina. Sentamos no chão, e perguntei pela última vez:
- O que fazes aqui?
- No mundo? Também não sei.
- Não menina, o que fazes neste lugar?
- Não há outro lugar para estar.
- Onde está a tua mãe?
- Não sei.
- E o teu pai?
- Dizem que é Deus, mas ele não fala comigo, eu chamo e ele não responde. Será que eu fiz alguma coisa errada?
- Joana, eu estou a falar a sério. São 20 horas e eu preciso ir para casa. Onde é que tu moras?
- Numa casa amarela.
- Onde fica esta casa?
- Aqui mesmo na terra.
- Vou perguntar mais uma vez: Onde está a tua mãe.
- Não sei, ela deixou-me aqui no meio da rua, disse que já não podia tomar conta de mim sozinha e que eu iria ficar com o meu pai.
- Ok...E quem é o teu pai?
- Deus.

Muitas vezes pensamos muito no futuro, pensamos demais no dia de amanhã e não vivemos o dia de hoje, não abraçamos o que temos, perdemos oportunidades boas a pensar que virão melhores, abrimos mão de amores verdadeiros na esperança de um reencontro. 
E se não existir futuro? 
Acho que esta é a pergunta que raramente fazemos a nós mesmos. E se o presente for tudo o que temos? Se hoje for a nossa última oportunidade?
Ultimamente tenho lido muito sobre a prática da Yoga e a uma das minhas descobertas foi a importância dos momentos. ''Aprende a viver o presente, pois o presente é o único tempo que realmente importa.'' O passado já morreu, o futuro ainda não nasceu e talvez o sol nem brilhe amanhã, mas o presente é uma certeza. Estamos aqui, hoje, agora. O que tem que ser feito não deve ser adiado, faz o que tu amas hoje e não deixa para algum dia, fala o que tu pensas agora e não deixa para ''outro dia, com mais calma''. Não inventa desculpas para evitar estar vivo. Não há experiência melhor do que viver cada segundo de forma única. Aproveita o presente porque até ele um dia vira passado. Só deves te preocupar com o futuro no momento em que ele se tornar presente.
A preocupação não te vai levar para nenhum lugar, o medo não vai resolver nenhum problema e o sofrimento opcional só fará com que te percas ainda mais. O que está feito não tem como ser desfeito, as feridas um dia irão sarar. O que ainda não chegou pode ser surpreendentemente maravilhoso, e se não for? Nós damos um jeito. Não há dor que dure para sempre.
O dia de ontem já se foi, o dia de amanhã vai cuidar de si, mas o presente É TEU!

Mateus 6:34
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal.