16 agosto, 2014

Texto de Oliveira Prazeres: O que ela quer

Maldita saudade;
O que me trazes de novo senão lembranças, com suas palavras calorosas que causam-me água no rosto. Outra vez te peço, não me enchas de esperanças com promessas que podes não cumprir, por isso agora quero que te vás. É maldita a saudade, dura a espera nas madrugadas insonicas entre lençóis nos dias que tardam a nascer. És desgosto puro e pueril incerteza na certa. Nesta dura espera vejo o tempo passar conto as horas e vagueio dentre as lembranças que me alimentam e me frustram. Aqui a solidão já não é bonita, outrora era doce a tua presença, hoje aqui e agora é somente este imenso vazio – amor e paixão são como palavras lançadas a uma miragem em um deserto de aguas salgadas. Teu aroma causa-me náuseas e nada mais importa, é tanta coisa aqui que nem mesmo tuas palavras ou carícias preenchem minhas ilusões. Não suportarei mais as dores da amarga saudade nem me agarrarei ao que não tenho. 
Bendita Saudade;
Nos teus olhos eu vejo amor e força e poesia, nos teus gestos eu sinto a prosa que enche o vagar em minhas lembranças e me faz pensar que com a saudade tudo ainda é mais bonito. Os teus cabelos, teus olhos belos, o esmero natural do teu rosto e o teu sorriso quase menino ainda trazem mágica a cada recordação, então se lembranças é tudo que eu tenho, nelas eu mergulharei e suportarei cada segundo da sua ausência. Aqui à saudade ainda é forte é doce e pura.
Quero teu consolo
Quero teu conselho
Não quero só metade
Não quero esperar
Não quero que te vás
Não quero duvidar
Não quero crer na sorte
Quero querer mais
Quero uma ilusão
Quero o que me dás, pois sei que me entendes – és parte de mim.
És bendita saudade. É a nostalgia da tua voz que adoça o desejo de te ver e acalma minha ansiedade, tua voz ainda é melhor que qualquer canção de amor e a saudade ainda é nosso maior aliado cúmplice do amanhecer ao entardecer.
Aqui, lá, e onde quer que estejas, eu te peço: Vem e dissolve o tempo, faz passar o que é temporal. Cada partícula desta saudade é recordação agradável lembrança meiga e suave de qualquer momento bem passado. É Saudade igual a tempo passado e coisas que foram e não voltam mais. No final todos sentimos saudades. E como disse o poeta, “saudade é nossa alma dizendo para onde ela quer voltar – Rubens Alves”.
NOTA: Qualquer semelhança com a musicalidade de Aline Frazão não é mera coincidência, texto fortemente influenciado pela mesma – a saber, '' O que ela quer, faixa 4 do álbum Clave Bantu, 2011”. 
Oliveira Prazeres