29 setembro, 2014

Sou assim: Tão cheia de nada e vazia de tudo.


Já mudei tanto, ou pelo menos tentei... Tentei mudar a minha atitude, a minha maneira de falar, o meu andar, o meu corpo, o meu cabelo. Ah! O meu cabelo é o que mais sofre. Já usei liso, natural, cacheado, trançado, ondulado; Até já fiz um corte radical.

Tenho uma alma inquieta, canso-me rápido das coisas (não pessoas), gosto de novidades, tenho sede de novas experiências, novos sabores, tenho sede de aventuras mas muita preguiça para pegar um copo e a garrafa onde estão estas coisas. Sou impulsiva, indecisa, hoje quero e amanhã já não. Não sou exacta nem coerente. Vivo em busca do meu verdadeiro ser e nestas buscas frustradas discuto com o ser que pareço ser. Algumas vezes o espelho é o meu melhor amigo, outras o inimigo mortal. Sou deusa, sou ridícula, conhecida, estrangeira, dentro, fora, isso e aquilo. 

Sou assim: Tão cheia de nada e vazia de tudo. 

Já tentei mudar... Comprei roupas novas, sapatos, vernizes, batons e até alguns amigos. Tentei mudar 999 vezes e na 1000 percebi que quem tenta não consegue, quem procura não acha, quem espera não alcança. É preciso estar distraído e quieto, a mudança chega quando menos esperas e te traz tudo novo, de novo.