23 outubro, 2014

Texto de Oliveira Prazeres: Por mero prazer!



“Um escritor somente é escritor quando menos é escritor,
no instante mesmo em que tenta ser escritor e escreve.” - Charles Kiefer, Para Ser Escritor


Sempre pensei que os escritores escrevessem apenas por gosto, diz-se que nestes momentos fluem rios de inspiração poética… Mas há fases em os mesmos têm que escrever por compromissos da vida, ser um profissional das letras e nestes momentos a inspiração torna-se lembrança e os escritos não fluem na mesma correnteza de um rio. Sente-se saudades das doces letras, qualquer escrita torna-se imperfeita e sem precisão, amontoam-se os rascunhos, mas no final, quem sabe! Não brote um simples texto.
Confesso que, não penso como Benjamin Franklin que dizia, “se não queres ser esquecido quando morreres, escreva algo que valha a pena de se ler ou faça alguma coisa sobre a qual vale a pena escrever”, gosto apenas de viver uma vida simples, não me imagino eternizado numa galeria, seja de que forma for. Talvez porque as coisas eternas me assustem, ou são entediantes – claro que há aqui diferenças sobre o que se supõem do que seja vida eterna. Ainda assim gosto de escrever, quem sabe não devia estar fazendo algo diferente agora?! Aqui sinto-me tentado a concordar com à Glória Steinem, “escrever é a única coisa que, quando o faço, não sinto que deveria estar fazendo outra coisa.”, ainda bem que é apenas mera tentação, e sempre posso resisti-la! Quando paro p’ra escrever, costumo pensar que devia arriscar-me noutra área artística. Teatro! Acho bem mais fácil ficar por cima de um palco e representar a vida, colorida pelos múltiplos holofotes e aplausos ilusórios dos espectadores. Há quem ache que “devemos escrever sobre aquilo que sabemos e se adora e que quando nós conseguimos expor no papel, há isto chama-se boa escrita”, agora lembro-me, essa frase é de autoria de Joel Chandler Harris.
Bem, boa escrita é algo muito subjectivo, leva-se tempo p’ra ser um bom escritor e fazer boa escrita “literatura”, qualquer um pode escrever sobre o que lhe convém, mas quando se trata de literatura sei que há muitos pressupostos que fazem de uma obra escrita um material literário, talvez o autor tenha escrito essa frase tendo em conta tais pressuposto estético-literários, por isso muita calma ao interpretar a frase. Eu muito particularmente me identifico nas frases de Anaïs Nin “Escrevemos para saborear a vida duas vezes – no momento e em retrospectiva. O papel de um escritor não é dizer aquilo que todos somos capazes de dizer, mas sim aquilo que não somos capazes de dizer.”, vezes há que me imagino a reescrever a minha história de vida, e a literatura dá-me este poder ou ilusão de estar no controle, colorir momentos, rascunhar antes onde falhei, colocar minhas nítidas impressões em outros momentos que desejaria para mim. Na escrita as palavras são tintas, assim como uns pintam quadros, nós podemos trazer sobre o papel tudo que flui de dentro, um outro lado que nos faz companhia nas horas insólitas. Não escrevo sem esperanças, o que busco é esperança por meio da escrita. Escrevo porque sou mensageiro, porque gosto de incomodar tal como bem disse José Eduardo Agualusa “Escrevo para incomodar, às vezes acerto!”. 



Por: Oliveira Prazeres