14 abril, 2015

Não me ofereçam um arranjo de flores


Receber um bouquet de flores não é algo que me deixa deslumbrada. Nunca soube explicar o motivo. 
Eu gosto de ver jardins bem cuidados, sentir o cheiro das flores e apreciar de perto as suas diferenças... Gosto de flores, para apreciar e vê-las florescer. 
Não gosto que as coloquem num arranjo para me ver feliz.
Já recebi flores duas vezes, e na verdade até agradeci e me senti amada. Mas no fundo, sempre teve algo que não me permitia gostar daquilo por muito tempo. Da segunda vez, o que mais me emocionou foi o bilhete e nem tanto as flores. (Prova disso é que o tenho guardado até hoje).Olhando para as próprias flores sentia uma espécie de infelicidade. 
Sempre que este assunto esteve em conversa, eu disse que não gostava, mas nunca consegui explicar o porquê.
Hoje, felizmente, descobri a razão para isso: 
''A Sustentabilidade da Criação''

Tudo foi criado para ser sustentável, por esta razão existe um fluxo natural.
Devemos alegrar-nos com a criação divina e entrar em harmonia com a natureza, simplesmente por fazermos parte dela. O homem não é o dominador e nem um ser a parte da natureza, ele é antes, parte de tudo isso.
É bom experimentar a alegria pura de estar em contacto com a criação divina, vê-la nascer e desenvolver-se livremente. 

Percebi, então, que arrancar flores do seu habitat natural, colocá-las num bouquet com brilhantes e perfume artificial, é uma invasão. Interromper o seu ciclo para agradar a quem amamos, é egoísmo. Oferecer um bouquet de flores é convidar o outro para ver algo murchar com rapidez. Receber um bouquet é cultivar algo que está a morrer. 

Acredito que tudo tem o seu propósito e foi criado para evoluir com harmonia. Assim também é com as flores e não temos o direito que interromper o seu ciclo de vida. Elas não serão mais bonitas num arranjo, não precisam de perfumes nem brilhantes, porque são puras e perfeitas na sua forma e local natural.

''A perfeição consiste no facto da existência, não na estética aparente do imaculado. Para o universo, o feito já é perfeito.
(...)A primeira pedra, não foi a preciosa, o primeiro mar da história foi vermelho e não azul cristalino.
(...)Nada se perde. Tudo apenas se transforma e renasce mais doce, renasce mais precioso.'' 

Por isso, da próxima vez que pensares em oferecer flores num arranjo, lembra-te que é possível plantar, acrescentar ao jardim, aumentar os vasos...
É muito mais significativo oferecer vida... Algo que o teu amor pode cuidar todos os dias, algo com raiz, algo vivo tal como tu.