01 julho, 2015

Amanhã de manhã


Eu não quero esperar até amanhã de manhã. 
Tu sabes, meu bem... As horas são capazes de congelar neste mesmo instante, e os sonhos podem virar memórias de uma vida incompleta.
Não quero adiar as palavras para outro momento, não preciso de esconder os sentimentos porque tudo o que mais quero é, expulsar as emoções que trago na alma, dar um novo sentido aos medos e transformar em motivação todos os receios do meu íntimo... amar-te assim com toda a imperfeição que há em mim.
Vamos declarar hoje. Podes cantar para mim e tocar melodias de amor, na tua guitarra desafinada, nesta madrugada fria onde o silêncio habita.
Deixo-te abrir o caminho para o nosso tão esperado encontro, dar asas a imaginação e deslumbrar-me com o teu toque.
Meu bem, tu sabes... Sabes bem que não podemos adiar os beijos, os abraços e nem sequer as lágrimas que dão início a um mar de alegrias.
Eu não quero esperar até amanhã de manhã para embebedar-me de ti, quero sentir a euforia de um gole único e a raiva da ressaca... Quero tudo nesta noite.
Quero ouvir-te dizer, mais uma vez, que os meus lábios cheiram a nicotina e que adoras a sensação de estar viciado em mim.
Não precisamos de adormecer e acordar, não precisamos de reabilitação... Temos o agora, temos um ao outro e a plena certeza de que nada é certo, tudo é pó e pode dispersar-se num segundo... confundir-se.
Não digas que ainda é cedo.
Tu sabes muito bem, meu bem...
Sabes que amanhã é tarde demais.