04 abril, 2016

Saudades

Autora: Bereznick Rafael


Estou com saudades daquele romance perfeito que vivemos, das noites frias em que tu eras meu cobertor e das outras em que deitávamos-nos sobre a relva do parque enquanto apreciávamos as estrelas a brilhar no céu, saudades do aperto de mão e do encaixe perfeito entre nossas bocas, dos nossos risos combinados que ecoavam pelas ruas e perdiam-se no vento.

Nós éramos diferentes dos outros casais, perfeitos e posso até dizer melhor que todos os outros, inclusive melhor que aqueles casais dos romances do Nicholas Sparks. Não éramos opostos nem nos atraiamos, éramos duas metades perfeitamente iguais que formavam uma só pessoa. Não precisamos enfrentar qualquer batalha para ficarmos juntos, não houveram adversidades entre nós, eu simplesmente olhei para ti no mesmo instante que olhaste para mim e percebemos logo que estávamos destinados um ao outro, nos pertencíamos.

Tenho saudades dos passeios no final da tarde e das sessões de filmes durante as madrugadas invernais, das noites de amor escaldantes onde nossos corpos uniam-se comungando o mesmo desejo, saudades de sentir você a alimentar-se da minha alma e a consumir-me por inteira. Saudades da tua entrega e do teu amor.

Nós éramos diferentes e completos, uma alma habitando em dois corpos, nossos olhares refletiam a magia do amor que nos unia e eu tenho saudades de tudo o que vivemos. Éramos perfeitos até aquele momento em que acordei e percebi que éramos tudo fruto da minha imaginação, não passamos de um sonho meu numa madrugada qualquer depois de uma noite em que embebedei-me de esperanças de um amor que nunca vivi.