06 abril, 2016

Um novo começo


Autora: Aurea Assiduo


Aprendi a deixar ir aqueles que eu costumava ter por perto. Nos momentos felizes e nos momentos menos felizes. Aqueles à quem eu confiava e que prometeram nunca partir, tive que os ver a dizer adeus. Alguns porque já não faziam parte deste mundo, outros porque precisavam mesmo de partir e eu tive que os libertar.
Aprendi a conviver com a dor de os ver partir para longe do alcance dos meus olhos e principalmente dos meus braços. Tive que conviver com o vazio deixado em meu peito. Passei a dar importância aos detalhes que passavam desapercebidos. Comecei a desabrochar como uma rosa e a crescer como uma trepadeira. Me fiz forte e criei raízes firmes. Me libertei dos laços que ainda me prendiam a eles, decidi mudar de trilha me permitindo um novo começo, sentir o calafrio, a insegurança de me apegar em outras pessoas ,me conhecer melhor  e apreciar a minha própria companhia e me blindar de possíveis adeus. E confesso que as vezes  ainda me deparo com o medo de perdê-las também e de me sentir outra vez desolada ,sem chão. Mas tive que aprender a driblar esse medo. E a medida que o tempo passa entendo como a distância pode ser benéfica, porque a medida que vi uns partirem surgiram milhares, e eu me fortifiquei me sentindo cada vez mais confiante e independente. Entendendo que entre "adeus" e "olás" o que mudava em mim era a vontade de crescer e entender o mundo tal como é, e deixei partir quem não era feliz ao meu lado sem ressentimentos. Acima de tudo deixei de viver para os outros e passei a viver por mim e para mim.
Porque o que for meu de verdade sei que a vida se encarregará de deixar bem perto de mim.