07 junho, 2016

A corda bamba

Põe-te sentado enquanto te ris. Ficas lindo, e charmoso também. Começa a ser um ritual, ficar aqui à janela logo de manhã a apreciar-te a fumar. Sabe tão bem!
Senta-te, ficas mais seguro. Tens um jeito tão desinibido com tudo, que me tira do sério. A vida é uma corda, uma corda bamba. Tudo o que fizeres, tem de ser bem estudado e articulado; sabes? Sempre tive medo de me entregar, quando te conheci, e tenho medo que esta relação de "saidinhas e escapatórias" não dê em nada. Tenho medo, sinto que estou numa corda bamba. Conheceste-me como uma mulher desinibida. Eu sei, mas lá no fundo há um grande medo de perder tudo o que conquistei e tenho conquistado. Por trás dessa capa forte há uma mulher vencida pelo medo, e que se sente ameaçada pela própria vida.
Quando comecei a trabalhar como gerente, sentia aquele medo total, a corda parecia que balançava sem parar... como se a vida me estivesse a dizer a todo o momento: "vais cair, não vai dar certo. Se falhares em alguma coisa, já foste!" 
E assim vou vivendo eu, que nem um robô, com os braços abertos como se me estivesse a preparar para levantar voo, tentando equilibrar-me nessa corda que é para mim tão aterrorizadora.
É fácil conquistar, difícil é manter. Sabes? Comigo também é assim. Em tudo. Tudo o que se mantêm com o mesmo nível ao qual foi conquistado, é o que vale a pena. 
Agora senta-te. Vá! Por favor, não quero correr riscos, e nem te ver a corrê-los. 
Onde estás tu? 
Bastou eu olhar para baixo e saíste da janela. 
Eu sei que estás aí, responde ou eu desligo a chamada .

-Aqui estou. Olha para mim. Agora já não me vês na janela, estou aqui diante dos teus olhos, a olhar para os teus lindos lábios que conversam entre si e fazem um belo desenho em coração. Já até conheço o ângulo da tua boca de cor e salteado. Olha bem para mim. Corda bamba? Então dança comigo e vamos seguir o ritmo das ondulações desta corda. Vamos viver, viver sem vírgulas ou reticências. Não precisas de viver entre linhas, não estás num filme. Ainda não estás... um dia escrevo, hoje não. Podes saltar de parágrafo a parágrafo, só não saltes um dia, não deixes de viver um único dia - Viver - Sabes o que é isso? Ou só conheces a palavra?
Mas que ridículo seria o ser humano se nunca pudesse errar. Que ridícula seria a vida se o ser humano nunca pudesse falhar!  Se não estiveres desinibida, as coisas nunca irão fluir, tens de ser tu a todo momento, viver sem roteiros, não estamos num filme, repito. Pega na minha mão. Sente, és real e é humano errar.
Não tens de te preparar para ir comprar o pão como sempre fazes, sê tu, não me vais perder.
Eu adoro ver-te despenteada, quando sais de roupão para o banho. Sim, tenho te visto pela janela. É uma das tuas versões que mais gosto. Quando estás simples e a agir naturalmente pensando que ninguém te está a olhar. Pareces uma deusa. De longe consigo até reparar na delicadeza do teu andar.
Que belo andar, por vezes até fico horas e horas a te apreciar, e sem dar pelo tempo passar, pensando que estou a assistir algum desfile, mas só que com uma modelo.
Vês? Essas pequenas coisas têm feito eu admirar-te cada vez mais. O amor não nasce no encontro detalhadamente planejado,  na hora em que combinamos  nos ver, nem naquela linda festa onde todos vão vestidos a rigor e tu te sobressais.
O amor nasce no teu jeito meigo e atrapalhado de falar, naquele encontro inesperado no elevador , naquele sorriso antes do beijo, naquele abraço que fala por nós e faz o tempo parar. As boas coisas são construídas com pequenos detalhes, pequenos gestos. O trabalhador não impressiona por ter sempre uma postura séria, mas sim pelos seus pequenos gestos que ninguém mais faz e o tornam único... e tu és uma ótima gerente não te preciso detalhar.

Vive a vida, esquece a corda. Ela só está bamba porque tu tens tremido por cima dela. 
Autora: Vanessa Neto