06 junho, 2016

Jogo da verdade


Existe em nossos turbulentos e teatrais dias de hoje, e na verdade sempre existiu, a necessidade humana de sermos aceitos e amados, e nem sempre usando dos meios mais escrupulosos e verdadeiros para atingir o objetivo. Quantas vezes somos testemunhas, vítimas ou algozes em casos onde uma mentirinha quase inocente contada no intuito de evitar um mal maior, acaba se tornando o catalizador de uma crise dantesca na vida de terceiros ou nas nossas?
Na busca pelo carinho, amizade, amor ou até a manutenção de um emprego, somos muitas vezes obrigados, por assim dizer, a enfeitar a verdade, a omitir fatos ou mesmo mentir descaradamente para não magoar aqueles que nos cercam ou irritar aqueles que pagam o salário nosso de cada mês. Nossos entes queridos e os apenas suportados, nem sempre têm o preparo psicológico e bom senso necessário para escutar a versão integral da história. Então tendo esses pressupostos como base, eu pergunto: Vale a pena mentir e atentar contra a própria consciência para manter algo, seja uma relação laboral ou afetiva, que muitas vezes seria melhor acabasse logo? Como decidir se a verdade ou mentira causarão mais danos? Difícil, não?!
Acredito que a resposta para essa pergunta seja extremamente pessoal para cada um e varie de acordo com seus ideais e valores, contudo é importante ter em mente que alguns hábitos, e a mentira pode se tornar um, podem destruir sua imagem frente à pessoa que você tanto tenta proteger da verdade, alguns passos são dados e jamais há retorno, restaurar o bom conceito tido e perdido pode levar meses, anos ou nunca chegar a acontecer. Na dúvida faça ao próximo o que gostaria que fosse feito a você, ou procure conhecer seus companheiros de vida para saber qual seria sua opção, as verdades amargas ou as doces ilusões. Quem te ama e merece fazer parte da sua vida te conhece dos bastidores da vida e merece ver-te sem máscaras e fantasias.
Para mim garçom, me veja uma verdade amarga dita com muito carinho e cobertura de boa comunicação. Se vier com um acompanhamento de uma boa justificativa melhor ainda. Pago com honestidade e sinceridade, e tenho certeza que está bem valorizada no mercado hoje, é cada vez mais raro encontrar quem negocie com elas.

Num tempo de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário.” George Orwell
Autora: Laine Ferreira