06 julho, 2016

Ama-me um pouco


Meu amado, quero dizer-te que amar-te-ei até quando estiver frio e não haja aparentemente meios para fazermos fogueiras e nos aquecermos. Amar-te-ei, principalmente e quando, não me tratares como um pedaço de vidro que possa cair e partir a qualquer momento.
Quero-te seguro, em tudo e sobretudo, no tocante ao nosso amor.
Nada há mais que me faça amar-te, do que o modo como recebes meu amor. Nada mais há que me faça amar-te, do que o modo como me entregas o teu amor. Jamais nos perdoaria se nos perdêssemos na entrega num todo e esquecêssemos que amor é partilha.
Ama-me um pouco e o outro pouco então guarda para ti.
Ama-me um pouco, que o outro pouco será o nosso apoio, o nosso alicerce, o nosso refugio, a nossa proteção, o nosso trunfo e a nossa força, quando o primeiro pouco enfraquecer.
Ama-me um pouco, pois jamais duvidarei do quão bem guardas o outro pouco.
Ama-me um pouco, mas não me ames pouco.
Ama-me de forma sábia, para que percebas que tanto amo o nosso amor quanto amo a nossa liberdade. E esta ultima é a mais importante, pois sem ela, não saberei amar-te.


Autora: Suely Soares