07 julho, 2016

Quando os sonhos desaparecem


Pega uma mala, mete coisas básicas, deixa o medo, leva só coragem e força de vontade, podes levar alguns sonhos também, no caminho tratamos de realizar.

Aqui está tão escuro ultimamente que não temos conseguido ver as coisas com clareza, nem o brilho das estrelas consegue exterminar a escuridão que tomou conta desse lugar. Então pega tuas malas e vamos procurar um lugar pra nós. Os ares dessa cidade tornaram-se tóxicos, as pessoas tornaram tóxicas, parece até uma epidemia, tem um cheiro podre no ar, uma neblina que tirou o brilho de tudo. Então vamos, faça as malas enquanto ainda temos tempo, vamos fugir antes que sejamos apanhados por essa epidemia que tomou conta desse lugar. Eu lembro de quando começou, parece que foi ontem, tudo isso é consequência daquele medo que as pessoas tinham de lutar pelos seus sonhos, o medo de realizar suas vontades, então um à um começaram a acomodar-se e a aceitar as coisas sem questionar, sem lutar. De repente os sonhos começaram a desaparecer, as pessoas tornaram-se frias até que então chegou o dia em que o brilho desapareceu e a neblina tomou conta de tudo. Mas nós, nós ainda podemos escapar desse fim trágico. Então vá, faça as malas e assim que anoitecer nós partiremos, vamos girar o mundo, vamos conhecê-lo e explora-lo sem dar tempo de o medo tomar conta de nós e em cada canto onde passarmos usaremos o exemplo da nossa cidade como uma mensagem para o mundo, mostraremos o que acontece quando as pessoas se acomodam e param de lutar, quando desistem dos seus sonhos. O mundo precisa saber que quando os sonhos desaparecem a escuridão preenche o coração das pessoas, ela toma conta de tudo.

Autora: Bereznick Rafael