20 julho, 2016

Separados


Será agora a hora de fazermos algo em conjunto? Será que desta vez chegaremos a um consenso? Tenho saudades de concordarmos em algum aspecto, tenho saudades de sentir que o caminho de casa é o caminho certo.
Será que é desta vez? E se for, será de vez? Será que só assim conseguiremos falar no plural, marcar encontros e não haver desencontros no final, priorizar um ao outro, não ao nosso trabalho, nem nossos filhos, mas priorizarmos algo nosso, para o bem de nós dois.
Terá chegado a hora? E porque estou tão ansioso? Deve ser porque tenho saudades de me prestares atenção, saudades de fazer surtir algum sentimento no teu coração, seja este de rancor, ódio ou paixão, nem que isto tenha que ser no momento de assinarmos os papéis da nossa separação!
Estou ansioso porque finalmente te vou ver, sem a postura arrogante, sem o olhar de indiferença, exactamente como no dia em que te olhei naquele altar, te pus a aliança e jurei pra sempre te amar. Vais estar com alguma emoção, boa ou má não sei ao próprio, mas tenho pena que tudo isso, tenha de ser no dia de assinatura do nosso divórcio.
E estamos frente a frente, não mais lado a lado, nem precisamos de advogados, afinal a separação foi um acordo mútuo. Mas então porque será que assinar os papéis esteja a ser para mim algo tão árduo?
Olho para ti e tens lagrimas nos olhos, então vejo que consegui, vale a pena estar aqui, pois tu vieste desarmada, a arrogância e a indiferença ficaram em casa. Hoje conseguiste lembrar de tudo que juramos naquele altar, e mesmo que tudo isso nada mais possa mudar, hoje é talvez o dia mais feliz da minha vida, porque por momentos minha querida, eu tenho de volta a mulher que eu aprendi a amar, que era sensível e que me compreendia, que me deu os meus filhos e eliminou a minha eterna agonia
Separados...
É o preço que eu pago para ter um olhar desprovido de dureza, da mulher que o meu coração ama e deseja!
E que assim seja, que assim seja...


Autora: Suely Soares