10 agosto, 2016

A nota de cem mil dobras


Negro! Levanta os olhos para o sol rijo e ama a tua mulher... ama a tua mulher... ama a tua mulher...
Leu pela terceira vez na nota de cem mil dobras que ele deixou na mesa de cabeceira, não conseguia nem terminar o resto da frase. Mas o que tem o dinheiro a ver com o amor? Perguntou a si mesma,
 Nada! Respondeu o seu coração.
Pois, talvez tenha tudo a ver no coração de quem nada sabe sobre o que é amar.  
Pensou.
Nunca em toda sua vida, Acácia tinha tocado numa nota de cem mil dobras, tinha isto como um sonho, mas agora com a presença daquela folha de papel e a ausência do único homem que a fez esquecer de tudo, dos medos, da dor e do mundo, ela não tinha dúvidas, aquela nota era simplesmente insignificante.
Queria que ele ficasse, ou que ao menos a levasse, para longe daquela pobreza de espírito, da exploração, da falta de esperança por dias melhores, da ausência de sonhos, da roça herdada por cada cidadão de S. Tomé...
Queria ver prédios lindos e altos, como aqueles que seu amado lhe tivera mostrado por fotos, eram altos, tão altos quanto os seus sonhos...
Levantou da cama com lágrimas nos olhos e ao dirigir-se ao quarto de banho algo chama a sua atenção para a mesa, era um pequeno bilhete deixado por aquele que a abandonou:

"Guarda bem essa nota morena,
vai te ser útil nos momentos mais difíceis,
pois só Deus sabe quando haverá chuva.
Terminei a minha missão,
os negócios correram melhor do que esperávamos,

volto hoje para Portugal, mas nunca te vou esquecer"

Autora: Suely Soares