04 agosto, 2016

A paixão de viver a música ilustrada em filmes


O cinema tem como qualidade única a possibilidade de recriar tudo. Incluindo ambientes de outras artes. E desta vez seleccionamos algumas sugestões que ilustram a paixão de viver a música.
A primeira sugestão é o “Amadeus” de 1984 (não se deixem levar pela data), um filme que narra a história de Mozart na perspectiva do António Salieri que, na altura era o compositor oficial da Corte italiana.
Segundo o enredo, Salieri era um jovem devotado à música; tendo, inclusive, a necessidade de oferecer sua castidade a Deus em troca do talento musical que pudesse tocar e marcar as pessoas. Com esforço conseguiu atingir grandes façanhas. No entanto, aparece Mozart que, apesar de ser um fanfarrão, dobrava o talento de Salieri; o que desperta um ciúme patológico a este último.
Esse filme foi vencedor de 6 Óscares, mas não é uma biografia histórica. Ou seja, não retracta a biografia de Mozart e de Salieri com fidelidade histórica. É mais uma típica ficção do arquétipo do génio (louco) e do simples mortal esforçado (e invejoso) que o idolatra.

A segunda sugestão é o filme ''O Piano'', que narra a história de uma senhora muda, que tem em seu piano a única maneira de expor seu mundo interior. Porém, é forçada a se desfazer do instrumento quando mudou-se para a casa do marido. Como o piano pesava demais e era um objecto dispensável na óptica do marido, foi vendido a um senhor que também nutria amor pela pianista. A senhora, desorientada sem ter onde tocar, decide aceitar a “chantagem” do novo dono piano, que pretendia trocar o instrumento por favores sexuais, culminando num romance consentido.
Me esforço agora a não ter que contar o final do filme, mas adianto aqui que é um drama de roer as unhas. Considerado um dos ícones do cinema da década de 90, ao lado do Titanic, por exemplo.
Também foi vencedor do Óscar, Palma de Ouro, entre outros…
Sugestões dadas! A pipoca e o aperto ao play fica ao vosso encargo.

Autor: Isis Hembe