03 agosto, 2016

Deusa Egípcia


Deusa Egípcia, assim me chamava...
Eu sorria, não entendia, mas gostava
Gostava de tudo que ele dizia, admirava tudo que ele fazia
Desde hoje? não... desde o primeiro dia
Era suposto vê-lo como um pai, no minimo como um tio, não sei
Apenas sabia que ele era o marido da minha mãe, o marido da minha mãe,

e porque não o meu marido? eu pensava...
Este sentimento me corroía por dentro
queria aquele homem todos os dias da minha vida
e perguntava a mim mesma se era mais ou menos pecadora
do que a vizinha que era casada mas traia o seu marido
ou do que a minha prima que era amante por capricho, por dinheiro
o meu sentimento tão puro, fazia de mim impura
o meu desejo em segredo, era massacrado pelo medo
sonhava que estava no meio da rua e que as pessoas atiravam-me pedras

e vinha a minha mãe, a traída, que surpreendendo a todos
defendia-me e por mim dava a vida, exactamente como quando eu nasci
Era o marido da minha mãe
mas meu sentimento nem pensava se a magoava
quanto mais fraca eu ficava, mais forte ele se mostrava

até meu padrasto notar, e acabar por se declarar
pecamos naquela hora, naquela casa, na mesma cama
onde ele dormia com a minha mãe
e o pecado, por azar dos pecados, parecia a única coisa certa
que alguma vez fiz na vida...
Chamem-me louca, insana ou possuída

Era o marido da minha mãe...

Autora: Suely Soares