01 agosto, 2016

O tempo não passou para nós


Acordo com os primeiros raios de sol a invadirem o nosso quarto.
Ele ainda dorme tão sereno tão perfeito. Já se passaram mais de 10 anos mas ele continua o mesmo, vira-se para o outro lado da cama esquivando-se dos raios de sol. Mas torna a virar-se novamente para mim percebendo a maneira como eu o fitáva . Analiso cada feição do seu rosto é impressionante como o tempo não passou para ele. Para o nosso amor. Continuo a amá-lo com a mesma intensidade do nosso primeiro encontro, quando os nossos olhares cruzaram-se e eu tive a certeza que seria meu.  A empatia entre nós ainda é a mesma e a necessidade compulsiva de dizer-lhe o quanto o amo é cada vez maior. Ele concentra o seu olhar no meu como se quisesse saber o que estava eu a pensar. Dando-lhe um bejo leve nos lábios encorájo-o a perguntar-me, eu quero que ele me pergunte e parece entender-me ajeita-se na cama debaixo dos lindos lençóis de algodão que vestiam a nossa cama e corpos, devolve-me o beijo e finalmente diz:
   Estás a pensar em quê  querida?
   Em nada de mais. Estava apenas a lembrar-me do quanto eu te amo e pretendo amar, do quanto sou feliz ao teu lado, do quanto não me arrependo de me ter casado contigo quando estava em plena fase de aproveitar a minha juventude.

Ele olha-me com um olhar cúmplice e aproxima-se ainda mais de mim dizendo:


Sei muito bem tudo o que sentes, porque eu sinto o mesmo. amo-te tanto que as vezes me questiono se é possível amar alguém com essa intensidade. Sinto uma necessidade enorme de te ter sempre ao meu lado, de lembrar-te que tudo o que sou é graças a ti e ao teu amor.

Autora: Aurea Assíduo