06 setembro, 2016

Carta de uma criança que se isolou do mundo


Mamã, antes de tudo, para que estejas bem calma, digo-te já: estou bem e salva. Podes ter a certeza que estou em boas mãos. Mas não estou na tia Rita. Não me procures na tia Rita, sim? Eu não estou aqui.
Agora que estás mais calma, já te posso explicar o que me levou a abandonar a casa tão repentinamente. Eu não fugi de ti mamã. Não penses isso, está bem?
Eu tenho de salvar o mundo! Os adultos estão a tornar-se em verdadeiras feras, aquelas dos filmes de terror, que me faziam tremer e sair da sala a correr. Sim, eu sei que também és adulta mamã, mas há vários tipos de adultos... sabias? Se citar todos eles, não sairemos daqui agora. Mas tu podes ter a certeza, que és a melhor adulta de todas.
Já até tenho a minha máquina toda montada mamã. Eu hei de salvar o mundo sim! Eu sei que sim.
Não para ser reconhecida mundialmente, como todos aqueles que fazem grandes feitos, e ter um anúncio no jornal com os dizeres: "menina de 9 anos salva o mundo". Não mamã, eu não quero nada disso! Valha-me Deus, eu quero mesmo é o mundo em paz, não um título em meu nome.
Mamã... o mundo está um caos! Os filmes de terror já não me assustam! Assim não tem piada nenhuma! É suposto os filmes de terror assustarem-me, fazerem-me sair a correr da sala, refugiando-me  para o mundo real. Mas agora o mundo real está duas vezes pior que os filmes de terror! Ontem estive a assistir aquele filme intitulado "cabanas do inferno" e senti-me confortável naquele terror comparado ao do mundo real. Este eu não suporto mais.
Por isso não fui a escola, para não ver os professores a violarem os alunos ou a matá-los.
Por isso a minha cama está toda feitinha, passei a noite toda em claro, até decidir fugir. A qualquer momento a nossa casa podia ser invadida, eu tinha de estar atenta mamã. 
Por isso já não brinco, os brinquedos agora vêm todos com coisas de adultos mamã, as vezes até maldosas!
Assim não tem piada. Quero voltar a ter medo dos filmes de terror. Fugir do filme, para o mundo real e não o contrário.
Desculpa mamã, também não bebi o leite, porque vi ontem nos noticiários que as vacas têm sido envenenadas.
Vou começar a minha operação, e dando sempre notícias... tá, mamã?
Beijinhos. E não me procures na tia Rita.


Com o coração em apuros, Sara.

Autora: Vanessa Neto