16 julho, 2018

Análise do livro ''Ausentes'' de Stella Constantina



Um velho ditado defende que‘’a vida é 10% o que nos acontece e 90% a forma como reagimos.’’ Com  isto dito, percebemos que temos poder para criar a nossa própria realidade. Através da jornada de Sonhadora Compulsiva, uma jovem angolana de 26 anos, temas como a vida e a morte, religião e sistema de crenças são abordados na novela ‘’Ausentes’’ de Stella Constantina. Particularmente, a autora explora a perda e a forma como lidamos com a mesma; tomando como exemplo a protagonista que, ao perder o pai e o namorado, decide então escrever 13 cartas à morte para perceber o porquê da sua existência. Durante este percurso ela amadurece e ganha uma visão mais ampla sobre o mundo e a própria morte. Recorrendo a utilização de monólogos, reflexões e uso especial de pontos de interrogação, metáforas e personificação, a narradora leva-nos a uma viagem que nos permite descobrir que a beleza do mundo só é apreciada quando aprendemos a olhar com calma e a aceitar o ciclo de vida.

A dor de perder alguém especial, não passa; é apenas adormecida pelo tempo, mas permanece sensível à cada lembrança. A autora ressalta isso durante as reflexões de Sonhadora Compulsiva que, apesar de continuar a viver a sua rotina, lamenta a perda do seu pai e do seu amado ao confessar que ‘’as lágrimas correm, secam, esquecemo-nos delas, depois voltam sem aviso prévio, algumas vezes até com aviso, encharcam a nossa alma, inundam os nossos olhos e afogam-nos, consomem-nos por um tempo, e depois, novamente passam...’’ (P. 34). Em outras palavras, a dor da perda não chega e passa de repente. Pelo contrário, instala-se permanentemente mas não se manifesta todos os dias,  pois espera por gatilhos. Nesta passagem, devido a escolha de palavras e a construção frásica, percebemos que a dor da perda é um ciclo interminável que apresenta vários estágios. 


As pessoas lidam de forma diferente com a perda, enquanto algumas choram e afundam-se no luto eterno, outras encaram as perdas como combustível para aproveitar cada segundo de vida e honrar os que se foram. No livro, a protagonista passou por um processo de evolução; transitando de enraivecida e impulsiva à ponderada e sossegada, ela mesmo explica que passou a sentir ‘’medo, depois segurança e hoje consolo'’ (P. 127).  A sua evolução também é visível na forma como encara a morte ao longo do livro; primeiro como o pior de todos os males, o ‘’Deus da tristeza, da angústia, da dor e do medo’’ (P. 64 ) depois como ‘’bela, assim como a noite, misteriosa, fria, distante...’’ (P. 101). Nas suas cartas, a narradora também muda a forma de tratamento de Senhora Morte para Mor (sétima carta), alterando também a forma de tratamento de você para tu, o que indica intimidade. 
Diferente de Sonhadora Compulsiva, algumas pessoas lidam com a perda de forma mais trágica, ‘’inúmeras pessoas ficam deprimidas, desesperadas’’(P. 128) outras chegam a desistir da vida. Em outras palavras, a forma como lidamos depende da nossa compreensão sobre a morte. Quanto mais compreendermos e aceitarmos o processo, menos dolorosa é a vida pós-perda. Até porque nós somos uma extensão daqueles que perdemos, estamos aqui para dar vida à sonhos que não se realizaram e, de alguma forma, dar continuidade à missões que foram deixadas pela metade.


 Portanto, é importante celebrarmos a vida enquanto a temos. O luto faz com que fiquemos focados no passado ou que soframos só de pensar no futuro, pois buscamos lembranças ou visualizamos o vazio dos dias que estão por vir. No meio de tantos pensamentos, acabamos por nos esquecer de que não sabemos quanto tempo temos neste mundo e devemos aproveitar cada momento como se fosse o último; sem permitir que por ‘’preguiça, sono, ansiedade ou talvez por medo’’ (P. 79) deixemos de aproveitar o presente e apreciar as pessoas que estão ao nosso lado a precisar de um carinho, um gesto de afecto, uma palavra de consolo, um sorriso sincero, um abraço apertado. É importante percebermos que estamos vivos para cumprir uma missão e iremos cumpri-la, a não ser que (como na maior parte dos casos) as acções humanas façam-nos receber uma ‘’visita prematura’’ (P. 136) da morte.
Considerando os pontos anteriores, posso concluir que a novela ''Ausentes'' ilustra a influência das nossas experiências e da nossa visão sobre a morte na forma como lidamos com a perda. Enquanto alguns sofrem eternamente e chegam até a tirar a própria vida, a Sonhadora Compulsiva escreveu cartas à morte, na esperança de receber respostas para as suas questões; e passou de uma alma desesperada à uma pessoa consciente sobre a leveza de viver o momento e aceitar a ordem natural da existência.